5 Atividades para estimular a memória do idoso

Diversas preocupações surgem com o envelhecimento, o declínio das funções do corpo, tanto físicas quanto mentais ligam o sinal de alerta.

A população mundial está vivendo mais. Há uma crescente na expectativa de vida devido ao aumento das tecnologias em saúde, qualidade de vida e acesso a informação.

Diversas preocupações surgem com o envelhecimento, o declínio das funções do corpo, tanto físicas quanto mentais ligam o sinal de alerta. Para o corpo uma  boa alimentação e atividades físicas regulares são uma ótima pedida. E para a mente?

A memória é afetada com o envelhecimento, seja pela a idade ou pelas doenças crônico degenerativas, como o Alzheimer, AVC, demência mista entre outras. Por conta disso conversamos com a nossa Terapeuta Ocupacional, Paloma Oliveira Assis, para dar algumas dicas de atividades que estimulem a memória.

Os exercícios propostos podem melhorar os episódios de esquecimentos em idosos com declínio cognitivo ou com processos demenciais. Esses exercícios exigem algum esforço para que tenham o resultado esperado, mas podem ser facilmente executados em casa.

Assistir televisão, por exemplo, pode ser estimulante. Mas se for algo que lhe faça pensar, criticar, questionar, comentar é melhor! Se você utilizar a televisão apenas como passatempo, isso não vai ser estimulante o suficiente para melhor a memória.

Algo que sempre indico para os meus pacientes é a leitura.

A leitura é uma atividade que requer muita atenção, pois temos que ler, compreender e relacionar com o que foi lido anteriormente. Então a leitura faz com que o processo da memória seja realizado até o término do texto. É uma atividade que exige esforço e atenção. Quanto maior a atenção, melhor a memória.

Se o idoso não consegue enxergar bem, você pode ler o texto para ele e questionar o que foi lido. Pensar, questionar, criticar e comentar é bastante estimulante.

 

Os jogos de raciocínio lógico são uma ótima pedida. O raciocínio lógico é uma função do nosso cérebro que auxilia na recuperação da memória. Vamos a alguns exemplos:

Um muito estimulante é o Sudoku. É um jogo que visa completar os números em casas vazias usando a lógica. Os números vão de 1 a 9 e eles não podem se repetir no sentido horizontal, vertical e nos quadrados.

O jogo tem vários níveis. Para os idosos com declínio cognitivo leve, indicamos começar o jogo no nível fácil e a medida que for melhorando o desempenho vai aumentando o nível de dificuldade. O Sudoku pode ser achado tanto em revistas próprias quanto aplicativos de celular e tablets.

 Os jogos de palavras cruzadas são outra ótima prática porque exige muitos conhecimentos gerais que foram acumulados durante a vida. Esse exercício estimula a memória de longo prazo, aquela que guarda os fatos mais antigos, e a memória a curto prazo, que é responsável por reter informações mais recentes. Se for realizada com frequência, pode ter ótimos resultados na memória.

O caça-palavras é outro perfeito exemplo de atividade que exige atenção e conhecimentos gerais. O grau de dificuldade também pode ser escolhido. Sendo feito com frequência pode melhorar a atenção e melhorando a atenção, melhora-se o desempenho da memória.

 

O quebra-cabeças é uma atividade que exige muito do nosso raciocínio lógico, pois temos que juntar todas as partes para montar a figura exigindo que o cérebro faça interpretações imagéticas. Isso melhora a capacidade re resolução de problemas e potencializa o raciocínio. Além disso ajuda a melhorar a percepção visual e espacial que diminui quando o idoso está em processo demencial. Podemos iniciar com um quebra-cabeça mais fácil, com a partir de 60 peças, e ir aumentando a quantidade ou diminuindo dependendo da capacidade do idoso.

O ideal é praticar essas atividades pelo menos uma vez ao dia com duração mínima de 30 minutos.  E lembrando, a memória depende de vários fatores para funcionar direitinho, como: alimentação, sono, exercícios físicos, estresse, abuso de medicamentos entre outros.

Para os idosos com algum declínio cognitivo, seja pela a idade ou por doenças, existem os fatores de humor, comportamento, paciência que DEVEM ser avaliados durante as atividades.

Se o idoso estiver em fases mais avanças de demência é orientado procurar uma Terapeuta Ocupacional para avaliar e fazer um programa de estimulação cognitiva adaptado as necessidades.

 

Leave a comment